A Phala

Archive for the ‘Poesia Inédita Portuguesa’ Category

Estilhaços, lâminas, sangue

In Poesia Inédita Portuguesa, Uncategorized on 23 de abril de 2014 at 14:11

K_VIDR_LRO vidro será a minha matéria.

O vidro (mas qual, de tantos?) será também a minha não-matéria, porque ele deixa ver, à transparência, e apagando-se a si próprio, a matéria (sacrifício do vidro, para deixar ver, tornando-se invisível).

Exactamente aí, então, o vidro que me interessa: entre aparecer e desaparecer. Continue lendo »

Mais alguma coisa. Sobre «Apanhar Ar», de Adília Lopes

In Poesia Inédita Portuguesa on 16 de dezembro de 2010 at 18:48

Depois das compilações Obra e Dobra, cinquenta anos feitos, o que há para escrever? Este é um livro sobre a inspiração e a renúncia.

«Musa parca | musa muda». O poema inaugural introduz o leitor nas duas partes do livro: uma onde se cultiva a parcimónia do verso; a outra de que os versos estão ausentes constituída por desenhos feitos quando a autora, ainda infante, tinha 11 anos. Continue lendo »